1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Coisa de lobinho


Lobinho

Mowgli, O Menino Lobo
O lobismo é inspirado no livro da Jângal (resumido em “Mowgli, o Menino Lobo”) de Rudyard Kipling. A alcatéia é dirigida por um chefe de lobinhos auxiliado por um ou mais assistentes, sendo um deles designado como substituto eventual do chefe. O chefe de lobinhos é chamado Akelá (velho lobo) pelas crianças, e os assistentes são chamados Baloo (urso), Baguera (a pantera), Kaa (a cobra), Chill (o abutre), Raksha (a mãe loba), Hathi (o elefante) e etc, todos integrantes das estórias do livro de Kipling.
As estórias da jângal têm sido um grande recurso de inspiração e para cada lobinho, uma fonte de emoções, com um fundo de exemplo e de proveito humano.

Bastão-tótem? O que é isso?
O Bastão-Tótem é um bastão encimado por uma cabeça ou corpo inteiro de lobo, que constitui um símbolo representativo da história da Alcatéia.
As Matilhas não usam bandeirolas como os escoteiros. Em seu lugar entra justamente o Bastão-Tótem. Ele é utilizado principalmente nas cerimônias e no Grande Uivo. Sempre que um Lobinho ou Lobinha alcançar um distintivo, como por exemplo uma especialidade, será fixada uma marca no Bastão-Tótem. Do mesmo modo, outros fatos importantes da vida Alcatéia podem ser indicados no mesmo.

O Lobinho
A criança se torna um Lobinho por ocasião da cerimônia própria, quando presta a Promessa do Lobinho. A partir de então adquire o direito de usar o traje escoteiro.
Formação no Ramo Lobinho
O Plano de Desenvolvimento dos Lobinhos obedece às regras constantes do Guia do Lobinho.
As alcatéias de lobinhos foram criadas como parte do Movimento Escoteiro para satisfazer o desejo ardente de grande número de crianças que aspiram ser escoteiros, mas ainda são muito jovens.
A formação dos lobinhos é diferente da formação dos escoteiros mas é uma preparação, um passo para atingir o ramo escoteiro.
Mudança para o Ramo Escoteiro
Com antecedência de um a seis meses antes da data provável para a mudança para o Ramo Escoteiro, é iniciada a Trilha Escoteira.
Antes de completar onze anos, o Lobinho deixa a Alcatéia e é transferido para a Tropa do Ramo Escoteiro que lhe corresponde, em uma adequada cerimônia de passagem.

Matilha


A Alcatéia é dividida unidades denominadas Matilhas, cada uma com quatro a seis crianças, as quais constituem as equipes de trabalho e de jogos sem atingir, contudo, o grau de estratificação e de desenvolvimento recomendado para o Sistema de Patrulhas, adotado nos Ramos Escoteiro e Sênior.
O Lobo é o animal símbolo de todas
as Matilhas, que se distinguem numa mesma Alcatéia pelas cores próprias dos lobos. Geralmente, as Matilhas são designadas como Matilha Preta, Matilha Cinza, Matilha Branca e Matilha Vermelha; outras alternativas são Matilha Marrom e Matilha Amarela.
As Matilhas não usam bandeirolas. O símbolo representativo da história da Alcatéia é o bastão-totem, encimado por uma cabeça ou corpo inteiro de lobo, usado principalmente nas cerimônias e no Grande Uivo.
Graduados no Ramo Lobinho: Primo e Segundo
A Matilha é liderada por um Lobinho ou Lobinha denominado Primo, auxiliado por outro denominado Segundo.
Os Primos e Segundos são designados pelo Chefe de Seção, mas cada Primo deve ser consultado antes da designação do seu Segundo.
Chefia do Ramo Lobinho
A Alcatéia é dirigida por um Chefe de Seção, auxiliado por um ou mais Assistentes, sendo um deles designado substituto eventual do Chefe. O Chefe de Seção é chamado Akelá pelas crianças, e seus Assistentes são chamados Baloo, Baghera, Kaa, Chill, ou outros nomes constantes do “Livro da Jângal”.
O Chefe de Seção e seus Assistentes são designados e exonerados pela Diretoria do Grupo, ouvido o Chefe de Seção, no que se refere aos seus Assistentes.
Qualquer pessoa com idade superior a dezesseis anos, inclusive membros juvenis do Movimento Escoteiro, pode ser designada Instrutor de Lobinhos, por proposta do Chefe de Seção.
O Chefe de Seção é responsável pela direção e orientação da Alcatéia, sob supervisão da Diretoria do Grupo. O Chefe de Seção tem como principais deveres aplicar o programa educativo do Ramo e orientar a formação dos seus Assistentes e de pessoas que estejam atuando na Alcatéia, com vistas a um futuro exercício de chefia de Lobinhos, delegando-Ihes, na medida do possível, suas funções, a organização e a direção das atividades.


Ramo Lobinho
O ramo lobinho abrange crianças na faixa etária de 7 a 11 anos. O lobismo estimula o crescimento de cada ser humano como indivíduo que é. Aos velhos lobos cabe conciliar esta individualidade à unidade do grupo social que a Alcatéia representa.
Tanto o menino quanto a menina têm características e necessidades semelhantes nesta faixa de idade. As pequenas diferenças que surgem são de origem cultural ou social.
As características típicas desta idade são:
Grande energia física:
temos que desviar essa energia para atividades onde elas sejam gastas tornando mais suave a disciplina da Alcatéia como um todo.
Gosto pela natureza e o ar livre: a medida que a criança aprende a observar uma flor, a cor da asa da borboleta, ouvir o canto dos pássaros, ela se sente pertencente a esse meio. Ela passa então a perceber o quanto cada ser é importante na corrente da terra.
Imaginação: a criança nesta fase é capaz de transformar gravetos em espadas, jornais em tapetes mágicos. Ela se identifica ainda com os super-heróis. Devemos como velhos lobos extrair o que há de bom nestas figuras, pois é através disto que eles conseguirão mais tarde distinguir o bem do mal e conscientemente escolher o bem como meta.
Egocentrismo: por serem tratados pelos adultos como centro das suas atenções as crianças se acham como o centro do mundo. Ao chegarem na Alcatéia eles terão que dividir a atenção dos chefes com os outros lobinhos e isso pode ser um impacto forte para eles.
Medir suas potencialidades: tudo é novo e a cada dia ele se descobre mais forte, mais livre, o desafio passa a ser constante. À medida que a criança vence os desafios que ela mesma se propõe, vai fortalecendo em si a auto-confiança.
Bom humor: é predominante na maior parte do tempo. O lobinho facilmente esquece um machucado ou uma briga se lhe oferecemos carinho e atividade.
Estas características são desenvolvidas através da formação que o lobismo proporciona.
Os jogos, por exemplo, estimulam a sua grande energia física e a possibilidade de medir suas potencialidades.
Através das estórias estimulamos sua imaginação; os acantonamentos e excursões proporcionam o contato com a natureza.
E no dia a dia da Alcatéia, através de suas leis, desenvolvemos o bom humor e o egocentrismo.
Enfim, o propósito do lobismo é contribuir para que o lobinho possa vir a se tornar um jovem responsável pelo seu próprio desenvolvimento, ajudando-o a desenvolver suas potencialidades físicas, intelectuais, sociais, afetivas e espirituais.


O Lema do Ramo Lobinho é “MELHOR POSSÍVEL”.

Pequenos gigantes


Ser Criança...


Ser criança é achar que o mundo é feito de fantasias, sorrisos e brincadeiras.
Ser criança é comer algodão doce e se lambuzar.
Ser criança é acreditar num mundo cor de rosa, cheio de pipocas.
É ser inesquecivelmente feliz com muito pouco.
É se tornar gigante diante de gigantescos pequenos obstáculos.
Ser criança é fazer amigos antes mesmo de saber o nome deles.
É conseguir perdoar muito mais fácil do que brigar.
Ser criança é ter o dia mais feliz da vida, todos os dias.
Ser criança é estar de mãos dadas com a vida na melhor das intenções.
É acreditar no momento presente com tudo o que oferece, é aceitar o novo e desejar o máximo.
Ser criança é chorar sem saber porque.
Ser criança é estar em constante estágio de aprendizado, é querer buscar e descobrir verdades sem a armadura da dúvida.
Ser criança é olhar e não ver o perigo.
Ser criança é ter um riso franco esparramado pelo rosto, mesmo em dia de chuva, é adorar deitar na grama, ver figuras nas nuvens e criar histórias.
Ser criança é colar o nariz na vidraça e espiar o dia lá fora.
É gostar de casquinha de sorvete, de bolo de chocolate, de passar a ponta do dedo no merengue.
Ser criança é acreditar, esperar, confiar.
E é ter coragem de não ter medo.
Ser criança é querer ser feliz.
Ser criança é saber embrulhar desapontamentos e abrir caixinhas de surpresas.
Ser criança é sorrir e fazer sorrir.
Ser criança é ter sempre uma pergunta na ponta da língua e querer muito todas as respostas.
Ser criança é misturar sorvete com televisão, computador com cheiro de flor, passarinho com goma de mascar, lágrimas com sorrisos.
Ser criança é errar e não assumir o erro.
Ser criança é habitar no país da fantasia, viver rodeado de personagens imaginários, gostar de quem olha no olho e fala baixo.
Ser criança é pedir com os olhos.
Ser criança é gostar de sentar na janela e detestar a hora de ir para a cama.
Ser criança é cantar fora do tom e dar risadas se alguém corrige.
Ser criança é ser capaz de perdoar e anestesiar a dor com uma dose de sabedoria genuína e peculiar.
Ser criança é andar confiante por caminhos difíceis e desconhecidos na ânsia de desvendar mistérios.
Ser criança é acreditar que tudo é possível.
Ser criança é gostar da brincadeira, do sonho, do impossível.
Criança é saber nada e poder tudo.
Ser criança é detestar relógios e compromissos.
É ter pouca paciência e muita pressa.
E ser criança é, também, ser o adulto que nunca esqueceu da criança que foi um dia.
O adulto que consegue se reencontrar com a criança que ainda vive no seu íntimo e mais precioso território.
Aquele pedaço que justifica todos os percalços e que dignifica todos os tropeços.
A ingenuidade restaurada no dia-a-dia e que o transforma em herói ao reler as histórias de sua própria vida, narradas pela criança que o abraça, nas entrelinhas de um tempo que permanece imutável porque sagrado.
O tempo do princípio, da origem, da própria essência.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O Brinquedo Certo

Brinquedos indicados para Cada Idade

Brincar é umas das melhores formas de estimular o desenvolvimento e o potencial de uma criança. Apresentamos abaixo alguns brinquedos educativos indicados para cada faixa etária, que auxiliam no desenvolvimento da criança.

0 a 5 meses
Chocalhos, brinquedos musicais, mordedores, brinquedos de berço, móbiles, livrinhos de pano ou plástico, bolas com texturas diferentes para serem agarradas com as duas mãos.

6 meses a 1 ano
Brinquedos flutuantes (patinhos de borracha que bóiam na água), cubos que tenham guizos embutidos ou ilustrações, caixas ou brinquedos que se encaixam uns dentro dos outros, argolas empilháveis, brinquedos para martelar, empilhar e desmontar, brinquedos eletrônicos de aprendizado, mesa pequena com cadeirinhas na altura em que a criança possa alcançar os pés corretamente no chão, telefone de brinquedo, espelhos, brinquedos que emitem sons por meio de botões de apertar, girar ou empurrar.
1 a 2 anos
Brinquedos de variadas texturas (estimulam os sentidos da visão, da audição e do tato), bonecas de tecido e bichos de pelúcia feitos de materiais atóxicos, livros e álbuns de fotografia com ilustrações dos familiares e objetos conhecidos, brinquedos de empurrar ou puxar, brinquedos de montar e desmontar. Os brinquedos devem ter cores vivas e não podem ser tóxicos.
2 a 3 anos
Bolas, muitos blocos de brinquedos para empilhá-los e colocá-los dentro de caixas, brinquedos de encaixar e desmontar, brinquedos musicais, carrinhos, bonecas, cavalinho de balanço, brinquedos para praia ou piscina, brinquedos de equilibrar um em cima do outro. Nesta idade deve-se ensinar a criança a organizar e recolher os brinquedos.
3 a 4 anos
Triciclo, carrinho grande de puxar, aviões, trenzinhos, brinquedos infláveis, bolhas de sabão, caixas de areia com pás e cubos, cabaninhas, casas de bonecas, ferramentas de brinquedos, massinha de modelar, objetos domésticos, fantasias, máscaras, fantoches, instrumentos musicais de brinquedo como pandeiros, pianinhos, trombetas e tambores, brinquedos de montar e desmontar mais complicados, blocos de formas e tamanhos variados, jogos e quebra-cabeças simples, lápis de cor e papel para desenhar (círculos, bonecos, enumerar os elementos de uma ilustração, colorir), livros com diferentes ilustrações e histórias alegres.
4 a 6 anos
Esta é a fase do mundo imaginário, sua criatividade está se desenvolvendo. Os brinquedo nesta fase devem auxiliar a criança a entrar no mundo da fantasia, por exemplo: dinheirinho de brinquedo, caixa registradora, casas de boneca com móveis, telefone, cidadezinhas, circos, fazendas com animais, materiais de papelaria, postos de gasolina, meios de transporte (caminhões, automóveis e pistas, motos, aviões, trens elétricos, barcos e tratores), instrumentos musicais e eletrônicos, jogos. Nesta idade, a criança começa a sentir o que chamamos de medos infantis, como o medo do escuro, as bruxas, o bicho papão e outras coisas feias que impedem que a criança durma, desta forma recomendamos uma boneca ou um ursinho de pelúcia, que tem a função de ajudar as crianças a superarem esta fase.
Acima de 6 anos
Jogos de tabuleiro, bolinhas de gude, pipas, carros de corrida, trens elétricos, argila para modelar, pincel, brinquedos de mágica, artigos esportivos, bicicletas, patins, skate, jogos eletrônicos, de memória, videogames, patinetes, futebol de botão, laptops, brinquedos colecionáveis, chaveiros, brinquedos eletrônicos, jogos de cartas, kits, pistas de carrinhos, quebra- cabeças.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Vândalos depredam sede dos Escoteiros Boachás

“Sempre Alerta”, Escoteiros!

Ser Escoteiro... Pois é, ser Escoteiro é participar de um movimento mundial, que existe desde 1907, é participar de um movimento voltado para a educação a cento e dois anos assim como o fizeram muitas pessoas ilustres pelo mundo todo. Pessoas que foram ou são integrantes do Movimento Escoteiro. Atores consagrados como Harrison Ford, líderes de estado como a Rainha Elisabeth, profissionais de destaque como astronauta Neil Armstrong (dos 214 ex-astronautas e ativos, 142 tiveram participação no movimento) e muitos outros como, por exemplo:

Caio Martins – Nosso Escoteiro Herói,
Álvaro Dias – Ex-Governador do Paraná,
Bel – Vocalista do chiclete com banana,
Dalton Trevisan - Escritor,
Guido Mondin – Ex- ministro e Senador,
Itamar Franco – Ex-presidente e governador de Minas Gerais,
João Batista de Oliveira Figueiredo – Ex-presidente,
Juca Chaves - Humorista,
Juscelino Kubitschek de Oliveira – Presidente,
Kleiton e Kledir – Cantores Gaúchos,
Leda Nagle – comentarisa de TV (foi “guia”),
Maria Bethania – Cantora,
Maria Clara Machado – Escritora (foi “guia”),
Marieta Severo – Atriz,
Mário Covas – Governador de São Paulo,
Peninha – Cantor e Compositor,
Zacarias – Humorista de "Os Trapalhões",
Alfredo Stroessner – Ex-presidente do Paraguai,
Carl XVI Gustav - Rei da Suécia,
Paul McCartney - Beatle, Compositor e Cantor,
Bill Gates - Fundador da Microsoft,
Harrison Ford – Ator (Indiana Jones),
Jim Morrison – Lenda do Rock (THE DOORS),
John F. Kennedy - Presidente Americano,
Neil Armstrong - Astronauta e primeiro homem na lua,
Richard Gere – Ator
Karol Wojtyla, isso mesmo estou falando do Papa João Paulo II que nunca deixou passar uma oportunidade de falar de sua apreciação pelo escotismo, pelos valores expressos em sua promessa e leis universais, assim como pelo seu método educacional.

Dizia: “A juventude é um tesouro. Eu penso em seu método, em seu programa educacional, e também que ser escoteiro significa estar perto da natureza, apreciar sua beleza, compreender sua criação e respeitar a humanidade”.

Pensando assim é que mesmo sem qualquer patrocínio, contando apenas com a ajuda voluntária da chefia do grupo e de alguns poucos amigos que realmente valorizam o trabalho educativo e a formação de caráter ali exercitados em prol das crianças e dos jovem da nossa terra.

O Vandalismo

Mas algumas pessoas não ajudam e não valorizam nada disso. Nesta tarde de sábado (31/10/2009), quando chegamos ao parque de exposições para mais uma reunião com os jovens, encontramos nossa sede depredada por pessoas que não nos roubaram nada (aparentemente), mas que quebraram e estragaram materiais e equipamentos dando com bambu através das janelas que quebraram.

Não dá pra entender porque predar, quebrar, estragar computadores (usados que ganhamos), quadros, piso, janelas, portas (comprados através de catação e venda de material reciclável e renda de barraquinhas)... São poucas coisas que temos (mal dá pra atender nossas necessidades), mas foram adquiridos com muito esforço, mas para os vândalos não há valor algum nisso.

Nós ensinamos a pratica de Boas Ações ao próximo em toda e qualquer ocasião e não é justo que como retorno eu tenha que ficar mudo ao ver a tristeza de um Lobinho de apenas oito anos me perguntar: “Por fizeram isto com nossas coisas, chefe, fizemos alguma coisa errada?”


Blog Widget by LinkWithin