1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!. 1,2,3,4, SER LOBINHO É UM BARATO!!! 4,3,2,1, MAS NÃO É PRA QUALQUER UM!!!.

domingo, 23 de maio de 2010

Adulto Voluntário no Escotismo

A Presença do Adulto

Quando o Escotismo começou a se expandir, lá pelos idos de 1908, a partir da publicação do livro Escotismo para Rapazes, baseado nas experiências de vida de Baden-Powell, e principalmente nos resultados do acampamento experimental da Ilha de Brownsea (Inglaterra), não se imaginava que fosse tomar a dimensão que tomou logo, por isso não havia um programa onde a participação do adulto fosse necessária.

Era um método concebido para a auto-educação dos jovens; e de certo modo ainda hoje assim está definido em seu propósito.

Mas logo se fez necessário a presença de adultos para orientar os jovens. Todavia o Movimento continuou a ser um movimento para jovens; não se descartando que os adultos também se beneficiam dele, quer seja através do aprendizado de técnicas e habilidades, quer seja através da diversão e ambiente de camaradagem que acompanham as atividades escoteiras, ou ainda por saber-se útil à sua comunidade.

O Trabalho do adulto voluntário no Grupo Escoteiro

O Grupo Escoteiro, e as Seções Autônomas, são as organizações locais que proporcionam prática do Escotismo para os seus membros. São nestas organizações que a maioria dos adultos voluntários desenvolvem o seu trabalho - os níveis regional e nacional também contam com o trabalho voluntário.

Basicamente há duas espécies de trabalhos a serem desenvolvidos junto a um Grupo/Seção; O técnico, que é o trabalho junto aos jovens, e o de apoio, realizado em funções de administração, finanças, relações públicas e institucionais, etc.

Basicamente há duas áreas de atuação para os adultos em um grupo escoteiro: A técnica, onde aqueles que têm habilidades ou facilidade para atuar como educador de crianças e jovens colaboram pondo em prática o programa escoteiro; e a administrativa, na qual atual os adultos que apresentam habilidades para administração, comunicações, transportes, finanças, serviços gerais, etc..

Os adultos que atuam na ÁREA TÉCNICA são chamados escotistas (em alguns grupos há a figura do diretor técnico, o qual é um dirigente por não atuar diretamente com os jovens). São as seguintes as funções em que um adulto pode se incorporar a um grupo escoteiro como escotista:

Chefe de Ramo / Seção (Alcatéia de Lobinhos, Tropa Escoteira, Tropa Sênior e Clã Pioneiro);
Assistente de chefe de Ramo / Seção;
Instrutor (auxiliar eventual com conhecimento prático em algum assunto específico, que contribui, em colaboração com a chefia da seção, para o treinamento, a orientação e avaliação dos jovens).

Os adultos que atuam na ÁREA ADMINISTRATIVA são chamados dirigentes. São as seguintes as funções em que um adulto pode se incorporar a um grupo escoteiro como dirigente:
Membro da Diretoria (alguns cargos são eletivos para mandatos de dois anos, outros são criados pela própria diretoria e os seus membros nomeados por ela, varia de grupo para grupo);
Membros da Comissão Fiscal (cargos eletivos para mandatos de dois anos)
Membros de Comitês e comissões de trabalho ou assuntos (transportes, comunicações, captação de recursos financeiros, etc) Assessores para os mais diversos assuntos.
Nos casos dos cargos eletivos exige-se que o membro seja sócio do Grupo antes de concorrer ao cargo, nos demais casos uma entrevista com o responsável por recursos adultos do grupo ou toda a diretoria do grupo é quem definirá a situação do candidato a voluntário .

Como fazer para ingressar em um Grupo Escoteiro

Após contatar o nosso Grupo Escoteiro, haverá uma entrevista preliminar onde deverão ser conciliados os interesses do grupo com os seus interesses. Serão pedidas referências pessoais para checagem (é o cuidado de quem trabalha com crianças e jovens).
Uma vez entendido que os seus interesses conciliam com os do Grupo, e que há uma área onde você pode colaborar, e depois de checados todas as informações dadas, será ministrada uma Palestra Informativa, através da qual você melhor conhecerá o escotismo e participação dos adultos nele. O passo seguinte é a designação de um assessor pessoal, alguém que lhe orientará em suas funções. Antes de sua designação, nomeação ou eleição é negociado o termo de adesão, de conformidade com a Lei do Voluntariado, no qual são estabelecidos as suas funções e o tempo de trabalho que você se dispõe a dedicar ao Escotismo, entre outras coisas.

Características do Trabalho
ESCOTISTAS
Tarefa - Atuar diretamente na educação dos jovens;
Cargos - Chefes de Seção, Assistentes de Chefe, Instrutores;
Tempo para - Planejar, executar e avaliar atidividades de sua Seção: reuniões de sede, bivaques, acampamentos, excursões e visitas.
DIRIGENTES
Tarefa - Atuar nas áreas de apoio: administração, finanças, materiais e suprimentos, relações institucionais, comunicações, etc.
Cargos - Membros da Diretoria, Comissão Fiscal e Comissões de Pais
Tempo para - Participar das reuniões do órgão em que é membro (geralmente mensais) e desempenhar as ativididades de acordo com as escalas de serviço: secretaria, tesouraria, almoxarifado, apoio às atividades

Tanto para os dirigentes quanto para os escotistas exige-se identificação com os Fundamentos do Escotismo, aceitando plenamente os princípios nele expressos, e vontade férrea de colaborar por acreditar no ideal escoteiro.
Os conhecimentos escoteiros, as habilidades mateiras, a preparação para atuar como educador, tudo isto é feito nos cursos de formação ofertados pela UEB através da Região Escoteira, sendo as primeiras informações sobre o Movimento dadas através de uma Palestra Informativa e orientações recebidas pelo seu APF (Assessor Pessoal de Formação ).

quarta-feira, 19 de maio de 2010

O Lobinho Ambientalista

Exemplo de Francisco

Seguindo o exemplo de Irmão Francisco de Assis, os Lobinhos de todas as pelagens da Alcatéia Boachá-Mirim, nas atividades do mês de Maio, prepararam “casas”ou Ninhos ( Produzidos a partir do Bambu) para os Canários da Terra:

O canário-da-terra-verdadeiro ou canário-da-terra (Sicalis flaveola) é uma espécie de ave da família Emberizidae. Originário da América do Sul, é encontrado na Colombia, Equador, Venezuela, Peru, Brasil e Argentina. No Brasil, podemos o encontrar no Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Mias Gerais e Goiás.

Os filhotes são da cor cinzenta ou parda , independente do sexo. Quando adultos, os machos têm cor predominante amarela, principalmente na cabeça com tons avermelhados, e as fêmeas tomam um tom pardo ou amarelo misto com estrias escuras. Os machos podem brigar entre si por fêmeas – que normalmente atiçam as brigas – até à fuga de um dos canários. Tanto os machos quanto as fêmeas cantam, sendo que as últimas alcançam menor diapasão. A alimentação é tipicamente constituída de sementes (como alpiste) e vegetais folhosos. Alcançam um tamanho de 13,5 centímetros.

O canário-da-terra faz ninho, na natureza, em cavidades, chegando a utilizar frequentemente, ninhos abandonados de joão-de-barro, assim como crânios de gado dispostos para tal em estacas. Há referências a ninhos colocados no telhado das casas. São muito agressivos na defesa do ninho, chegando a atacar aves maiores que dele se aproximem. Em cativeiro, muitas vezes reproduzem-se em gaiolas de 70x40x30 cm, com uma caixa para ninho com 15 cm de lado e que tenha um furo para entrada. Normalmente, podem ser utilizados sacos de estopa cortados e desfiados para que a fêmea confeccione o ninho.

É um passáro muito utilizado em rinhas de briga, onde as lutas podem durar até 25 minutos sem intervalos, é uma pratica ILEGAL e CRUEL.

Por ser um pássaro nativo do Brasil, é necessária uma licença do IBAMA para a criação em cativeiro.

Os Lobinhos da Alcatéia Boachá-Mirim preferem vê-los SOLTOS e LIVRES.






















terça-feira, 18 de maio de 2010

Momento Especial para os Boachás

Missa de Ação de Graças
pelos 100 Anos de Escotismo no Brasil


Em Abril o 26º Grupo Escoteiro iniciou as comemorações dos 100 Anos de Escotismo no Brasil com uma Missa de Ação de Graças. Todos os Ramos participaram e o Santuário de São Sebastião ficou lotado.

Tanto os escoteiros quanto o público participaram entusiasmadamente contagiados pela alegria do nosso celebrante, o Padre José Miguel.

Nosso amigo e pároco, PE. José Miguel nos honrou celebrando a missa usando, todo o tempo, o Lenço Boachá (observem nas fotos) e aproveitamos o momento e o convidamos para renovar sua Promessa Escoteira – Pe. José Miguel foi escoteiro na sua juventude e como “Uma vez escoteiro... Sempre escoteiro”, ele topou com muita alegria.

















Jornada de Aventura

Jornada de Abril

Em abril, em desenvolvimento de atividades para alcançar a Insígnia Mundial do Conservacionismo, saímos em jornada pela margem de um córrego que existe por trás da área de nossa sede.
Este córrego deu nome ao bairro onde estamos situados, a Vila Progresso. É um córrego pequeno, com pouco mais de dois quilômetros e meio, estreito e raso. Um córrego de águas limpas, por isso bem oxigenada e com vida (Pequenos peixes conhecidos com “barrigudinho”) e vasta vegetação.
Por perto havia “gado” pastando e não muito distante encontramos uma casa desabitada e em sua volta dela um pomar (mas não era época de frutas) e somente os pés de “Jamelão” tinham frutos e os “Lobinhos” fizeram uma festa.
Para chegarmos à casa tivemos que atravessar uma pequena ponte que acabou sendo nossa referência para descobrirmos, com ajuda do bastão, a profundidade daquele “Corguinho.
Fizemos uma parada para o lanche, fizemos todas as anotações sobre o córrego, suas margens, vegetação, distancia percorrida, tempo gasto e logo depois retornamos à sede.

























Blog Widget by LinkWithin